sábado, 26 de novembro de 2016

A FARSA DO ARIANISMO



O Concílio de Niceia, no século IV depois de Cristo, existiu para resolver a questão que Ário, pastor de Alexandria, lançou sobre a divindade de Jesus. Ele afirmava, em seu livro, Thalia, que Jesus era divino, mas não era Deus, não tinha a mesma substância que o pai. Em outras palavras, ele estava dizendo que Jesus teve um início, e isso contraria a teologia paulina, em Colossenses, Efésios e em outros livros, onde é afirmado que Cristo NÃO foi criado, não teve um início, e que tem a mesma substância de Deus.
A humanidade não poderia ser salva se Cristo não fosse como Deus é.Seu sacrifício não seria perfeito. Nós estaríamos no pecado até hoje, e o céu seria uma mera fantasia. Mas graças a ele que o céu é real, e Cristo é nosso sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque, ou seja, não tem início e não tem fim.
Existem grupos, como o Voz da Verdade, que diz que Jesus não é Deus,ETERNO,Iavé... Mas ele é Deus, eterno, sempre existiu, como diz Hebreus 13.8; Mateus 28.18. Dentre as muitas passagens, essas servem para refutar esse falso ensino.
Portanto, cuidado com o arianismo, que nega a divindade de Jesus.