quarta-feira, 16 de setembro de 2015

O EVANGELHO E A CLASSE SOCIAL




Fico observando a igreja. Ela é formada por pessoas das mais diversas classes possíveis, das diversas camadas sociais. Há crentes empresários, advogados, médicos, catadores de lixo, carroceiros,e trabalhadores em geral; mesmo porque, ser evangélico não implica em ficar rico, ou ir logo mudando a vida financeira. Deus nos chama para sermos salvos.
Mas apesar de nossa condição social não influenciar na salvação, alguns acham que por ser de determinada classe social, pode ser considerado um crente melhor que aquele que tem uma condição mais humilde. E erram no sentido de querer reproduzir na igreja o modelo social dele. Se na sociedade ele é rico, não pode ser na igreja, tendo as mesmas honras, os mesmos méritos. No reino de Deus é diferente, o maior serve como servo. Não quer dizer se o irmão é juiz lá fora, deve ser ter honra de um juiz na igreja. Sua classe social deve ser algo à parte. A igreja é um lugar de servos, para Deus todos tem o mesmo tamanho. Aleluia!
Deus não está interessado em sua classe social, mas na alma do homem, que é o que o homem tem de mais precioso para Deus, é uma partícula divina, nas palavras de Pedro. Os discípulos chegaram a brigar por causa de posição, e Cristo ensinou que no reino dele, não é assim. Disse que os gentios fazem isso, mas a igreja de Deus é diferente do mundo. Não existem crentes privilegiados, por quem Deus tem um interesse melhor por causa do seu nascimento. Engana-se quem pensa assim.
Se há crentes que olham para o seu irmão de forma soberba, não conhece a Deus, pois para ele não há acepção de pessoas, todos são filhos dele, e o sacrifício que ele fez pelo rico, fez pelo pobre, pelo negro, pelo branco, por quem tem carro do ano, por quem anda a pé... Deus ama a todos.
O evangelho não tem classe social. Todos são nivelados, são servos de Deus. Não reproduzam na igreja o modelo social dos gentios, que dão muito valor a isso. O ensinamento bíblico é diferente, somos todos servos do Altíssimo, e não podemos fazer acepção de pessoas, com Tiago diz em sua epístola. Isso é ser cristão, considerar  o outro superior a nós mesmos.