quinta-feira, 5 de março de 2015

O VALE DE ELAH- BERÇO DO REINO DE ISRAEL

Cerca de 350 anos se passaram até que as tribos de Israel se estabeleceram na região alta da Judeia e Samaria, após um longo período de incertesas e constantes opressões, finalmente, com a expansão da população hebraica para os vales, começam os grandes conflitos entre as populações das montanhas, os israelitas e os das planícies, os cananeus e filisteus.

Após um longo período de falta de crença por parte dos acadêmicos do setor de história e arqueologia em Israel e fora de Israel, o gelo começa a rachar, e as novas descobertas arqueológicas vem demonstrando cada vez mais que a teoria minoritária têm grandes rachaduras.
Por dezenas de anos, professores, doutores e masters do setor de pesquisa histórica em Israel lançaram suas dúvidas quanto a possibilidade de um reino judaico de grandes proporções nos períodos de Saul e Davi e de que a expansão somente teria chegado mesmo no período de Salomão e Roboão.

KHIRBET QEIYAFA - Um grande abalo císmico na teoria minoritarista

Os resultados das expedições em Khirbet Qeiyafa mostraram que sem dúvida alguma, os indícios desta civilização eram israelitas, ligados a era do Ferro, entre 1100 até 900 AC, neste caso, mais para 1000 até 1050 AC, o que incide sem dúvida alguma com o reino de Davi.
As primeiras pesquisas na Fortaleza de Elah, nome da contrução dos cruzados que foi descoberta no local, revelaram que o assentamento era muito mais antigo doque os principais indícios que são facilmente identificados no solo.
Duas paredes que foram descobertas debaixo de construções de periodos posteriores se revelaram como indícios do que seria um palácio ou grande armazém de um governante sugeito ao governo central, provavelmente o governo davídico.
Sem dúvida alguma, parece que após 3,000 anos de história estamos diante de indícios arqueológicos que estão abalando o mundo revisionista arqueológico que prevalece nos dias de hoje.
Sem dúvida alguma, a localização desta cidade, Khirbet Qeiyafa a cerca de 30 quilômetros do que era chamado pelos arqueólogos de pequeno reino de Jerusalém, está demonstrando que o reino israelita na realidade estava avançando rumo as planícies e vales que antes eram dominados pelos cananeus e filisteus.

Mais vilarejos como Khirbet Qeiyafa

Sem dúvida alguma, conforme as pesquisas arqueológicas avançam rumos aos vales outrora dominados pelos inimigos de Israel, não tenho dúvidas de que mais vilarejos como estes surgiram, onde as pedras clamarão anunciando a veracidade das escrituras.

Shearaim, Shearim ou Searim

Segundo os arqueólogos, devido a formação da, Khirbet Qeiyafa está diretamente a localização do vilarejo citado na história da luta entre Davi e Golias, e este seria o local da cidade bíblica de Searim.
Searim por sua vez que deveria estar em seus primeiros dias de existência, sem dúvida alguma era o posto avançado dos hebreus na Judeia, pois está localizada em um verdadeiro triângulo de batalha: Azeca, Sucô e Shearim.
Desta forma, não há dúvidas de que oque separava os hebreus dos filisteus esra exatamente o Vale de Elah.

E  porque o Vale de Elah?

Sendo assim, o Vale de Elah é sem dúvida alguma um verdadeiro berço da civilização, em especial do Reino de Israel.
A localização do vale na região central do país, ligando o litoral a região montanhosa, sua fertilidade foi sem dúvida alguma um dos fatores essenciais para o desenvolvimento das civilizações que passaram por ali.
Além de Shearim, Azeca, Sucô, se encontram nas fraudas do vale outras importantes localizações da antiguidade, a mais importante delas, Gate, a principal cidade dos filisteus na região da Judéia.
Ao norte do Vale de Elah está a cidade de Beit Shemesh pela qual passaram as civilizações cananeis, filistéias e hebreias, ao sul, Maresha e Beit Guvrin, Maresha além de cananéia era fenícia e Beit Guvrin além de judaica foi Nabatéia.
Sem dúvida alguma, a decisão de Saul em acampar alí desafiando os inimigos filisteus foi uma decisão corajosa, mas não podia ser outra, pois os inimigos estavam se utilizando do vale afim de atacar as cidades de Israel na região montanhosa da Judeia.

Instrumentos de Culto Israelitas

Além das descobertas referentes ao que pode ter sido o palácio do governante israelita da cidade no X século AC, algumas outras descobertas muito interessantes foram feitas em Khirbet Qeiyafa.
Entre as descobertas, foram descobertos dois artefatos arqueológicos em foram de modelo de templo, onde provavelmente uma lâmpada era posta no interior ou o incenso era queimado alí, os modelos podem ser vistos ao lado.
Além dos dois modelos encontrado em Khirbet Qeiyafa, dois quartos típicos de culto foram encontrados no vilarejo, como era de costume judaico antigo, antes da prevalecimento do monoteísmo, os hebreus se utilizavam de dois pilares como representação de YWHW ( Adonai ) e da Asera que era considerada por alguns como a esposa de Yaweh.
Não há dúvidas de que os pilares poderiam ter sido utilizados pelos cananeus, mas a presença dos mesmos em uma cidade típica israelita demonstra que se tratava de culto judaico.

Baixe o Video Completo sobre Arqueologia Bíblica nos Passos de Davi por Apenas 15 Reais aqui.

Descoberto o Palácio de Davi em Khirbet Qeiyafa

Uma das estruturas identificadas pelos pesquisadores Prof Yossi Garfinkel, da Universidade Hebraica e Saar Ganor do IAA palácio de David, e o segundo edifício foi usado ser um armazém do estado era simplesmente enorme.
Hoje(quinta-feira) chega ao fim da escavação, que durou sete anos. De acordo com os professores Yossi Garfinkel e Saar Ganor, "Khirbet Qeiyafa é o melhor exemplo até agora já descoberto de uma cidade fortaleza do Rei Davi. Uma residência do governante foi exposta na parte sul, um espaçoso palácio, tinha uma área de cerca de 1.000 metros quadrados. Uma parede de suporte com cerca de 30 metros, com uma portal impressionante, o que dele seguia-se para o portão sul da cidade, em frente ao Vale de Elah. No palácio haviam muitos quartos, incluindo diversas instalações - estruturas de metal, cerâmica e fragmentos de pedra de alabastro especial importado do Egito. O palácio está localizado no centro da cidade, e controla todas as casas da cidade baixa. Portanto. Além disso há um grande local de observação, para o Mar Mediterrâneo, a oeste com Hebron e Jerusalém ao leste. Este é um local ideal para a transmissão de mensagens por tochas acesas. Infelizmente, grande parte deste palácio foi destruído cerca de 1400 anos mais tarde, quando no local foi construído no período bizantino uma fortificação."
No norte da cidade exposto uma construção com o comprimento de cerca de 15 m de comprimento e 6 m de largura, o qual foi utilizado como estrutura administrativa para armazenar. De acordo com os pesquisadores, "É o tipo de estrutura do reino para recolher os impostos agrícolas, coletados dos moradores de várias aldeias nas planícies de Judá. Para comprovar isto, foram encontrados centenas de frascos grandes de armazenamento Shidiotihn que estavam soterrados, como era séculos comuns do reino de Judá".
O palácio e os armazéns são evidência de construções do Estado então formado, e a organização administrativa durante o período do Rei Davi. "Esta é uma prova clara da existência de um reino conhecido que estava a estabelecer centros em pontos estratégicos de controle", afirmaram os arqueólogos. "Até agora, não haviam palácios eram claramente atribuíveis ao início do século X AC, como podemos concluir até agora. Khirbet Qeiyafa foi provavelmente destruída na batalha contra os filisteus realizada no próximo ano 980 AC. O Palácio foi agora exposto e a descoberta da cidade fortificada nos últimos anos são mais um passo na compreensão das origens do reino de Judá ".
A exposição da cidade bíblica Khirbet Qeiyafa, e a importância dos achados no local, levou a Autoridade das Antiguidades de Israel a trabalhar com a Autoridade dos Parques e da Natureza de Israel para desqualificar a intenção de construir um novo bairro vizinho, e para promover a declaração das áreas que cercam o local como futuro parque nacional.
A conclusão é que este local e o parque nacional que se levantará em breve ali atrairão milhares ou milhões de pessoas que desejarem aprender mais sobre a arqueologia, cultura e história do Povo de Israel e a civilização durante o reinado do Rei Davi.
Anteriormente anunciamos aqui a descoberta de diversas relíqueas descobertas em Khirbet Qeiyafa, entre elas a inscrição Hebraica mais antiga achada em Israel, um pequeno modelo do que seria o templo em Jerusalém e etc.
Em junho-julho de 2012 foi a sexta temporada de escavações em Khirbat Kiefe ( Licença N º 19/2012-G ; 195930-6070/622625-750 ref. ).
As escavaççoes foram feitas em nome da Universidade Hebraica de Jerusalém e foram dirigidas por Y. Garfinkel do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém e S. Ganor do IAA assistida D. Geldman , A. e Igman , A. Weisbrod , P. Silberg , C. Em linha reta, A. Ovadia , M. Friikmn , K. KEYMER , A. Krimerman , S. Chang e D. Rnkot, A. Ginzburg , J. Shapiro e Diretor (do Campo) , J. Rosenberg ( levantamento ), M. Friikmn (fotografia de campo) , Sky View ( fotografia aérea ), A. Cohen e M. Lavie ( conservação ) e J. Flores ( numismática ) . A escavação foi realizada com o apoio financeido da Fundação Nathan e Lilly Silver, M. Berman Mmotzogolo e Centro de Arqueologia Bíblica da Universidade Hebraica .
O pessoal das escavações e estudantes da Universidade Hebraica de Jerusalém participaram, da Universidade de Auckland , Virginia Commonwealth University e Trinity College.


FONTE: http://www.cafetorah.com/portal/O-Vale-de-Elah-Berco-da-Civilizacao-Judaica