quinta-feira, 6 de março de 2014

O DISCURSO DE MOISÉS À MARGEM DO JORDÃO



Li o discurso de Moises em Deuteronômio capítulos 1-8. A beleza do discurso de Moises é muito rica. Ele começa falando de todas as dificuldades que israel passou, e lembra a eles a razão da demora em  entrar na terra, a desobediência deles em fazer o que Deus disse, e a dúvida dos mesmos em relação à capacidade de Deus em pôr o povo na terra.
E Moisés segue dizendo que Deus quis fazer isso para a sua glória e por que fez uma aliança com seus pais, não que Israel merecesse nada, mas ele, por seu amor, fez isso.
No quinto capítulo ele repete as leis das tábuas, os dez mandamentos dados no capitulo 20 de Êxodos, e também fala sobre a passagem deles pelo território de Amom, Edom, Moabe, parentes deles, descendentes de Ló. Deus não permitiu que entrassem em suas terras, pois havia dado elas a esses povos, mostrando que é Ele quem estabelece as nações, e com sua permissão elas se fazem, não é por acaso. Fala também dos Filisteus, os caftoritas, ou cretenses, uma civilização avançada para a época, uma das primeiras a utilizarem os metais para a fabricação de armas de ferro.
Não pretendo aqui fazer um estudo desses capítulos, apenas algumas impressões, ensaio, sobre eles.
Moisés demonstra tristeza quando fala que orou ao Senhor para entrar na terra,e Deus nega; então ordena que suba no monte Pisga e veja toda a terra em sua extensão, pois devido à sua desobediência, ele não entraria, como não entrou. Foi o povo que pressionou Moisés, e ele se ensoberbeceu, e não falou à rocha, símbolo de Cristo, mas bateu nela (Nm 20.10,11). Eles se exaltaram, como se pelo seu próprio poder pudesse fazer a água sair. Castigo merecido.
É também falado que houve as guerras contra alguns povos que não deixaram o povo em paz, como Ogue, descendente dos anaquins, povo gigante, creio que tinham mais de três metros, pois Golias possuía 2,9 m de altura. Tinham boa mobilidade, eram guerreiros, por que eram treinados, a vida de um homem naquela época era guerrear, estar sempre em forma. Tudo era feito manualmente. Ele dominava o lado leste do Jordão, herdado pelas tribos de Manassés, Rubem, e os gileaditas, um território que tinham uma ambiente propício à criação de gado, pois esses povos tinham muito.
E, assim, ele termina dizendo que Josué iria fazê-los entrar na terra, e que eles obedecessem a Lei, meditassem nela, ensinassem a seus filhos.Por várias vezes, Moisés fala isso, mostrando o quão importante era para eles serem fiéis a Deus. A permanência deles na terra dependia disso. Foi uma aliança que fizeram, e Deus era o Senhor,o Suserano, ao qual deveriam honrar, ou as maldições seriam sobre eles, algo que era comum nessa época, como algumas descobertas arqueológicas comprovaram. Alguns documentos hititas comprovaram isso. (Gn 15.17). Chamava-se suserania. Algo parecido com isso acontecia durante a Idade Média, quando havia essa espécie de aliança entre os príncipes e os servos.Quem não respeitasse a aliança, seria amaldiçoado, e se tornaria como o animal que era dividido em duas partes, e posto no chão;então os dois aliados,povo ou algumas pessoas, passavam pelo meio do animal, dando a entender que quem não fosse fiel à aliança, acabaria como aquele animal. E havia testemunhas para isso, mas Deus toma como testemunha os céus e a terra.
Moises deveria confortar e exortar Josué, fortalecer as mãos dele, para que tudo fosse feito conforme Iavé disse. E tudo foi realizado como Deus quis, e seu nome foi mostrado e conhecido por todos os seus feitos no Egito, e na terra de Canaã, e no deserto.