sábado, 1 de março de 2014

A PALAVRA UNGIDA DO PASTOR LEÔNCIO

Eu gostava de ouvir ele no Templo Central.Sua palavra era ungida e sempre alegrava a igreja. Deus era com ele. Todas as  vezes em que ele falava, Deus consolava os corações dos irmãos.
Ele foi para a glória no dia 08 de junho de 2002, e foi uma coisa que fez história em Pernambuco, como ele fez história em vida, durante 21 anos que foi o pastor da igreja em Pernsmbuco. Em 1998, quando deixou a presidência da igreja, deixou 320 congregações, 120 mil membros, só na capital, 12 missionários no exterior,e 200 pastores em todo o estado.
A palavra dele era uma bênção mesmo. E a forma dele falar era graciosa porque ele falava a Palavra de Deus mesmo, alimentava.
Ele começava devagar, calmo, pausadamente.Mas, de repente, ele explodia em alegria no Espírito Santo, e falava aos corações, pois Deus o inspirava. Assim era o pastor Leôncio. Não havia quem não gostasse de ouvi-lo. Na Santa Ceia mesmo, ele sempre dava uma mensagem daquelas que era difíci esquecer. Deus o usava de tal forma, que se percebia que esse detalhe nele, e que aquilo era um dom de Deus, um homem simples, mas que Deus capacitou para guiar o povo.Os dons ministeriais atuavam de modo forte em sua vida.
Confesso que não gostava de ir ali,no Templo Central, por causa de  algumas coisas que ocorriam,como pessoas soberbas, que ohavam os irmãos "por cima", mas ia cultuar a Deus, e ouvir uma mensagem do Senhor Jesus pela boca desse homem. Eu saía consolado.
Um amigo meu, novo convertido, apreciava demais sua preleção. Era uma bênção.
Cada um tem seu estilo, e, até agora, nenhum há, aqui em Recife, que fale como  o pastor Leôncio falava. Há outros com uma boa palavra, mas nenhum é como foi esse grande homem de Deus. Seu genro,  o estimado pastor Ailton, que doutrina a igreja de forma contundente, hoje. Também uma bênção. Mas o pastor Leôncio falava de uma forma que Deus deu só a ele.  Nos encontraremos no Céu.