quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O PROFETA DESCALÇO

Confesso que fiquei chocado quando li o capítulo 20 de Isaías pela primeira vez. Lá, Deus diz que profeta andou três anos nu e descalço, para tipificar a escravidão pelos Assírios. Não só eles, mas os etíopes seriam levados também, apesar de serem um povo guerreiro e  forte, e ter um exercito também forte. Na época a Etiópia na  era uma potência militar, que dominava o Egito; Pianqui estabeleceu a XXV dinastia, e seu filho Sabaca, chamado de Sô em 2 Rs 17.4, encorajou Oseias, o último rei de Israel, contra a Assíria. Os etíopes era altos e de pele lisa. Não adiantou essas alianças, pois Deus disse que eles seriam derrotados, e foram.
Exatamente como Deus disse, aconteceu. É claro que Isaías não ficou realmente sem roupa, mas sim com as roupas de baixo, feita de sacos, ou couro de cabra, mas ficou mesmo descalço. Atos simbólicos era comum aos profetas, como Ezequiel, que ficou deitado por muitos dias em cima de seus lados direito e esquerdo, para tipificar a tomada e queda de Jerusalém (Ez 4.3-6); teve que comer comida com fezes (Ez 4.8-16); a Jeremias Deus mandou que viajasse até ao rio Eufrates e enterrasse um cinto de linho, tipificando a deterioração espiritual e moral do povo de Judá (Jr 13.1-9); a Oseias, mandou que, literalmente, casasse com uma mulher prostituta, a qual o traiu, tipificando a prostituição espiritual do povo de Israel (Os 1.1-7).
Imagino a coragem de Isaías em fazer a vontade de Deus, mesmo que parecesse ridícula e absurda para muitos, mas ele fez. Claro que ele não ficava o dia todo fazendo isso, nem Ezequiel passava o dia todo deitado sobre seu lado, mas eles fizeram a vontade de Deus, e foram zombados. Não é preciso ler na Bíblia que eles foram zombados por causa disso, pois isso pode ser inferido. Nem tudo é explícito na Bíblia, muitas coisas ficam subtendidas. É só pensar um pouco, e também atentar para a Hermenêutica bíblica. 
Esse profeta era da elite social e intelectual de Judá, estadista, poeta, e, acima de tudo, profeta. Os profetas tinham as vestes apropriadas deles, como os reis tinham (I Sm 19.24). O profeta tirou as de cima, que o identificavam como profeta, e ficou com a de baixo, como sinal profético. E isso durante três anos, para que Judá confiasse em Deus, e não nas forças da Etiópia e do Egito, que iriam ser derrotadas pela Assíria. A história diz que a Etiópia foi derrotada duas vezes pela Assíria,uma vez por Senaqueribe, outra vez por Assurbanipal; a primeira, no ano 701, a segunda, em 567 a.C. como vaticinou o profeta. IAHUE é fiel.