quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

AO ORAR

Ao orar, nós geralmente pedimos por nós mesmos ou por nossos parentes, e falamos com Deus muitas vezes como se ele estivesse bem distante de nós. Falamos de modo tão formal, que não parece que estamos falando com nosso Pai, mas com uma pessoa distante.
Precisamos ver que não falamos com alguém distante, mas com nosso Deus, que apesar de ser infinitamente poderoso, se importa com a gente. Precisamos por para fora nossos sentimentos, do mesmo modo como colocamos para fora os sentimentos diante de um psicólogo e de um terapeuta. Falamos tudo que ele precisa ouvir, e falamos coisas que geralmente não falamos para Deus, que mais do que ninguém, nos entende.
Precisamos orar assim mais vezes, falando o que sentimos e estamos querendo, e até de tudo que já passamos na nossa vida. Deus está pronto a ouvir, e precisamos apenas ter coragem de falar o que nós sentimos, já que é uma conversa a oração. E conversa entre amigos íntimos.
Mas para muita gente, Deus não iria se importar com poucas coisas, como uma roupa, sandálias, e até comida. Ele se importa com tudo. Ele se importa com tudo que se refere a nós. Por sermos agora redimidos ele está disposto a ouvir nossa oração, já que agora, a justiça de Cristo foi atribuída a nós, e temos ousadia para entrar no santuário, pelo novo e vivo caminho que ele inaugurou. Então, falemos tudo que precisamos falar, pois o melhor terapeuta é Deus, que cura qualquer ferida em nós, traumas, medos, e o que quer que seja, pois ele é o Deus dos impossíveis e não há nada a temer, fiquemos na rocha, pois é ele quem perdoa nossas enfermidades e cura-nos de todo mal. Entremos com confiança no trono da Graça.