sábado, 21 de dezembro de 2013

A LEI, O PECADO, E OS GEMIDOS

O livro de Romanos é um dos livros doutrinários mais lindos, lidos e ricos do Novo Testamento. Nele, o apóstolo Paulo sistematiza a doutrina cristã e revela segredos que antes não havia sido revelado por que Deus os estava guardando para o momento oportuno, o tempo da Graça, onde as verdades, que até os anjos queriam se ocupar, como disse Pedro, seriam reveladas a todos os que viessem a Deus, principalmente os pequeninos, como enfatizou Jesus em Mateus.


No capítulo 1, ele começa falando do pecado generalizado na raça humana, e como ele se desenvolveu a ponto de afastar os homens de Deus e torná-los escravos da idolatria em todas as formas imorais, "transformando a glória do Deus invisíveis em répteis", diz o apóstolo nesse  capítulo.
No segundo, ele fala dos judeus, da Lei que foi dada a eles, das promessas, dos patriarcas...No entanto, isso não tornava eles melhores do que todos, mas mais responsáveis pelos seus atos, os gentios, que não tinha a Lei, poderia ser tão justo como eles, apenas pelo fato de obedecerem a Deus seguindo a lei de seu entendimento, também dado por Deus a todos os seres humanos. Os que sem lei pecaram, sem lei perecerão, e os que pecaram com a Lei por ela serão julgados, diz ele no versículo 12-15. Os judeus pensavam que eram melhores que os gentios, mas não eram. Deus encerrou todos debaixo do pecado, diz Saulo. E assim foi.Ninguém pode ser considerado melhor que ninguém, pois o que eles podem ter de Deus é por sua infinita misericórdia.
No capítulo 3 Paulo continua falando dos judeus. Ele fala da  justificação pelo sangue de Cristo, pois todos pecaram e estão longe da graça de Deus, só se aproximando e tendo acesso a Deus por causa da redenção e a propiciação efetuada por Jesus, que desde o A.T. vem sendo predito(Lv 16.15; Is 53;54).
No capítulo 4 ele fala da justificação de Abraão, pela fé, e não pela Lei, que tanto os judeus idolatravam, e se achavam melhores do que todos os gentios, e por causa disso não foram justificados, mas permaneceram em seus pecados, pois a justificação é pela fé com Paulo fala no capítulo 1.17. O patriarca foi justificado não pela Lei, que veio mas de quatro séculos depois, mas por sua fé em Deus. Mas a elite de Jerusalém não viu isso, os Fariseus, os Saduceus, os Herodianos, os Zelotes, enfim, todos permaneceram na cegueira da justificação pela Lei, coisa que Deus nunca quis,mas ela serviu de aio até que viesse a posteridade, Cristo.
No capítulo 5 Paulo continua falando da justificação pela fé, que nos faz ficar alegres mesmo na tribulação, que produz a perseverança, que produz a paciência. Diz mais que "a morte reinou até Moisés..."Paulo aqui fala da solidariedade racial.Não houve pecado com o pecado de Adão, mas todos morreram apesar de não desobedecerem a uma ordem específica dada por Deus a alguém. Isso se chama solidariedade da família, como o fato de Hebreus dizer que Levi estava nos lombos de Abraão, portanto, também deu dízimo a Deus Gn 14.18-20; a solidariedade da família em Js7.16-26; em Adão o que predomina é a solidariedade racial, pois embora a humanidade não estava com Adão quando ele pecou, é descendência dele. Essa é a doutrina ensinada por Paulo.
No capítulo 7 Paula enfatiza os efeitos do pecado. Usando uma figura de linguagem, prosopopeia, ele personaliza o pecado usando a lei, algo bom, para fazer o indivíduo pecar. O natural seria usar algo ruim, mas o pecado é tão maléfico, que usou algo bom, pois a lei dizia não matarás, o pecado usando o próprio mandamento de Deus, escraviza o homem, paradoxalmente. A pessoa fica sem vontade própria, já se tornou um servo do pecado, por causa da natureza decaída do homem -7.19-25-, e isso só Cristo consegue resolver.
No capitulo 8 ele fala sobre a libertação advinda da redenção, pela fé, da propiciação pelo sangue de Cristo, e que agora somos guiados por seu Espírito Santo, sendo, por isso, filhos de Deus todo aquele que creu como Abraão creu em Deus, e foi justificado pela fé, e não pelas obras da Lei, pois por ela, nenhuma carne será justificada, segundo ensina o apostolo. Todo aquele que vive no Espírito, cumpriu a justiça da Lei, pois quem vive na carne não pode agradar a Deus, mas só quem vive sendo guiado pelo Consolador (8.3-5). Essa é uma grande verdade. É por isso que ele fala sobre os três gemidos. O primeiro, da natureza (vv.20-22); o segundo, do crente(vv.22-25); o terceiro, do Espírito, que intercede no crente, de modo inexprimível, que ninguém entende, só Deus. Esses são os gemidos que perdurará até à vinda de Cristo á terra, para vim buscar sua noiva, tornar tudo novo, com enfatizou Isaías, repetiu João em Apocalipse, e Paulo fala em Romanos. Esperemos a redenção e a vitória sobre o pecado.


BIBLIOGRAFIA

BÍblia de Estudo Pentecostal;
Comentário Bíblico AT E NT;
A Bíblia Mover de Deus