terça-feira, 31 de dezembro de 2013

O ÚLTIMO CULTO DE DOUTRINA


Foi um dos melhores cultos que já participei no Templo Central das Assembleias de Deus em Recife. Só estava cheio totalmente na parte de baixo, em cima, só a parte do meio encheu. Quando entrei havia uns irmãos recepcionistas no pátio, e uma bancada vendendo as camisas para a festa dos adolescentes. 

Estavam presentes o pastor  presidente e o vice, respectivamente pai e filho. Poucas pessoas no ministério, não tanto quando geralmente tem culto normal; poderia ter mais gente. Havia um clima mais ameno de fim de ano, parece que todos estavam cansados da movimentação do final de ano,exaustos. 
Algumas áreas foram convidadas, mas dessa vez não veio muita gente, mas pouca. Só alguns representantes das igrejas. Poucos cantores também. A irmã Ivana sempre cantando com seu modo peculiar de louvar a Deus, com aquela calma de sempre.
Lá atrás nem parecia que era um culto de doutrina. Geralmente as irmãs lotam o banheiro feminino, tantas que ficam ali. Não tinha quase ninguém, a não ser por uma irmã ou outra. Todas se embonecando para o último dia do ano, seus pensamentos só se ocupam dessas coisas. Esquecem do essencial e  se entregam ao que a mídia manda que elas façam: se enfeitem para o final de ano com todo o dinheiro e direito que puderem;mas isso não é só as irmãs pobres, mas as burguesas também, as mulheres dos pastores em geral, também. Como fica diferente o TC em final de ano. Muda como todas as igrejas.
A palavra do pastor Aílton foi dura como sempre. Isso não muda, é a mensagem da igreja, da Bíblia, sempre dura. A Bíblia não ameniza nada. Foi em Daniel capítulo 2, a continuação da semana anterior. Foi um ensino bom e que alimentou a igreja. Além de falar que Daniel foi alguém que não se isolou na sociedade, ele também foi aquele que mesmo tendo amigos pagãos e ser um político, permaneceu orando e buscando a Deus, apesar de estar longe dos pais, e quem sabe eles não já haviam morrido? A parte da preleção que mais a igreja ficou alegre foi quando ele disse que nós precisamos ter um altar em casa, uma vida de oração em casa, e não só na igreja, onde nós oramos pouco;o nosso altar deve ser no lar, primeiramente. Pena que não havia tanta gente lá.
O pastor falou também dos que são frouxos, que por qualquer coisa deixam ser influenciados pela mídia, pelos amigos, em festas de fim de ano, quando alguns entregam-se à prostituição.É preciso manter a pureza em qualquer situação que passemos, seja de que natureza for ela.
O culto quase que não acabava; o pastor pediu para a igreja ter um pouco de paciência. A oração foi muito boa e ungida, e Deus se fez presente. Foi uma bênção o último Culto de Doutrina do ano. Que venham mais.
Parecia que ninguém queria ir embora para casa. Todos queriam esperar até o final, a não ser alguns mais apressados, que moram longe. Que bel culto. O que nos espera por esses dias?

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

OS DOIS DESCANSOS DO CRENTE

Hebreus é um livro que precisa ser mais estudado e falado nas nossas igrejas. Tão rico e tão pouco compreendido pelos cristãos. Ele, por causa de seu modo peculiar de abordar os temas referentes ao sacerdócio de Cristo e os sacrifícios, demorou a ser aceito no cânon sagrado, pois na época não foi bem compreendido.
Depois de apresentar Cristo como Maior que os anjos (v. 1.4), ele começa a falar da superioridade de Jesus em relação a Moises e a Josué. O primeiro construiu a sua casa, e Cristo a dele, nós.
Mas no capítulo 4 ele fala sobre dois descansos, o descanso da salvação (v.3) e o da Canaã celestial (v.9). O autor diz que ainda resta um descanso para o povo de Deus. E que esse descanso Josué não pôde dar, por que esse descanso Cristo conquistou para o crente na cruz do calvário, derramando o seu sangue, coisa que ele havia prometido também em Mt 11.28: "vinde a mim todos os que estás cansando..." Nossa carga foi trocada, do fardo do pecado, herdamos o de Jesus, mais leve, e suave. Esse descanso da salvação e das bênçãos espirituais renovam o homem interior, como diz Paulo em 2 Co 4.15-17.
O outro é o descanso do céu, aquele permanente, no qual estaremos para sempre ao lado de Deus, reinando e brilhando na Jerusalém celestial, e seremos sacerdotes do Altíssimo (Ap 7.9,10). Esse é o mais esperado.
Para se entrar no descanso é preciso que a palavra da salvação esteja misturada com a fé, do contrário, não se pode entrar nele (vv 4.2,3). Se não atentarmos para isso, não conseguiremos entrar nesse descanso, pois a incredulidade impede. Tanto de entrar no primeiro descanso, a salvação e suas bênçãos, quanto no segundo descanso, o Céu, trono de Deus. Esforcemo-nos, pois.
Retenhamos essa confissão, a fé, para que nosso esforço não seja em vão, e que a nossa terra produza os frutos da fé, de acordo com a palavra penetrante de Deus, que é aptar para tudo desvendar e mostrar quem realmente somos e nos preparar para o descanso.

domingo, 29 de dezembro de 2013

O EXEMPLO DA RÚSSIA

Quem diria que um dia iria chegar, no qual eu e muita gente cristã fosse admirar a Rússia. Isso mesmo, muitos crentes em Cristo estão admirando a Rússia por sua atitude anti-homossexualismo que está implantando cada vez mais pelo presidente Putin e  entidades como o parlamento russo.
Eles, mais do que ninguém, sabem o que a liberalização do aborto fez nessa sociedade, como a levou à depravação total desde o tempo do comunismo. Quase acabou moralmente com esse país.
Eles estão rechaçando até as passeatas gays, como aconteceu recentemente por lá, pois não aceitam nada disso. O ativista pró-família Dmitry  disse que a Rússia não era Sodoma, que Deus destruiu por causa do pecado do homossexualismo, a sodomia que hoje é combatida também na Rússia. O próprio EUA não se envergonha de ficar contra a Rússia por causa disso, cujo governo, o mais podre da história, de Obama, promove essa nojenta agenda gay, combatida por Júlio Severo, um cristão que teve que se mudar do Brasil para não sofrer violência dos ativistas gays, que querem que a sociedade os adore do mesmo modo que adoravam Baal na antiguidade, e também Moloque, e todos os deuses antigos, que hoje têm seus correspondentes. 
Nem a ONU fez com que a Rússia se pusesse debaixo desse julgo, quando a ativista gay Irina Fedotova denunciou a Rússia pelo fato dela não aceitar de modo algum a promoção homossexual por la, pois ela faz com que os jovens sejam prejudicados mental, emocional, psicológica e espiritualmente. Lá os gays não têm vez. Está provado que a maioria do povo russo apóia as leis que proíbem o homossexualismo. O que eles, a  sociedade, permitem é que os gays promovam seu modo de ser entre quatro paredes, e não fiquem promovendo seu modo de vida para todos imitarem, pois é contra a natureza humana. Imitemos essa atitude dos russos.
A igreja ortodoxa está combatendo isso de modo vigoroso e não baixam a cabeça para eles, dizem que é contra o que Deus criou e que não aceita essas condutas.Têm mais coragem do que muitos cantores pseudos-evangélicos, que para não perderem fama e nem oportunidades, aceitam de bom grado isso, contrariando e negando a fé que diziam que professavam, como Ana Paula , do Diante do Trono, que falou que nós como cristãos "temos muito que aprender com os gays". Mas Jesus disse que temos que aprender com ele. Amem.

sábado, 28 de dezembro de 2013

A LINGUAGEM DE UM PASTOR

Podem até não concordar como que vou me referir aqui, mas há coisas estranhas acontecendo com certos pregadores da Palavra. O modo como falam é que me chama a atenção.
Não fica nem um pouco bem um pregador ficar usando termos como "otário", "mulé", "miserável", "infeliz", e outras, como um certo pastor bem famoso. Não fica bem, além do mais, o modo como fala não é de um homem ungido de Deus. Quem tem o Espírito de Deus não age desse modo. A boca fala uma coisa, e os atos dizem outra.
A impressão que tenho é que o camarada é mais um animador de auditório que pastor ou preletor. Um pastor que só fala em dinheiro, se uni com todo tipo de gente, as mais diversas doutrinas, por mais estranhas que sejam.
A Bíblia manda que tenhamos um espírito reto, uma linguagem sadia, não a de um malandro, pois é o que parece. Já vi muitas pessoas dizerem, crentes ou não, que não gostam da maneira do mesmo falar, cheio de ódio e violência verbal. Talvez gente assim nem nasceu de novo, apesar de ser pastor. É um profissional da Palavra. 
Pastor deve ter um espírito de mansidão, de sobriedade, não ficar agredindo os pastores publicamente, chamando de ladrões homens de Deus, como se estivesse falando de uma mera organização. A igreja é mais do que pensam, é o corpo de Cristo,muito importante, tanto que o apóstolo Paulo se referiu a ela como a noiva de Cristo, em 2 Co 11. 
O próprio Jesus não agia assim com o  povo. Era e é Deus em pessoa. No entanto, respeitava todos e falava com o espírito de mansidão; só com os Fariseus e seus amigos, ele foi duro, pois conheciam a Palavra e eram líderes do povo.
Não se sabe se o tal é pastor ou empresário. Pregação e dinheiro. Vendas, vendas, vendas. É esse o Evangelho, e a obra de Deus? Creio que não. É preciso ver os frutos de tais homens, pois eles vão falar mais que as palavras que falam. Deus não se engana, mas muitos que se dizem seus filhos, estão enganados e enganando.
Desconfio deles e do que fazem; não pregam como foi mandado pela Palavra, uma mensagem "temperada com sal", disse Paulo; ou então, "com mansidão", como disse Pedro. Não é isso que vejo nesse pregador e outros como ele.
A Palavra de Deus é pura demais, santa, que penetra até o mais recôndito do ser, como disse o escritor aos Hebreus no capítulo 4.É até um desrespeito isso de usar linguagem chula nas pregações. Fiquemos de olho e não nos deixemos enganar por esses lobos.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

PRAZER DE LER A BÍBLIA

É uma delícia ler a Bíblia, um dos maiores prazeres que a pessoa pode ter, não só por causa das riquezas espirituais, claro que essa é a principal, mas também pela riqueza literária, pois eu que gosto muito disso, me delicio. Além de Deus falar comigo, me ensina a pensar, lendo a filosofia de Salomão, a poesia dos Salmos, a história de Israel, as metáforas de Isaías, as riquezas do livro de Jó, e tudo o mais, a relação é infinita, pois ela é a palavra de Deus. Gosto de ler os livros pequenos de até 10 capítulos de uma vez só, mesmo por que é bom para entender ela. Por exemplo o livro de Ester; e o de Romanos, embora tenha mais de dez capítulos. Para ter um melhor entendimento dele é bom ler ele todo de uma vez. Fica melhor para entender. O de Hebreus também é ótimo. Leia de uma vez só que você verá que começará a entender melhor. Alguns irmãos acham ele difícil, mas se você primeiro orar, e começar a ler mesmo que não entenda muito, com o tempo entenderá melhor. É bom atentar para as linguagens que ela tem, as metáforas, as metonímias, as parábolas, as hipérboles, como aquela do livro de Juízes, onde se diz que os benjamitas "acertavam até um fio de cabelo com suas fundas". É lindo.
A palavra de Deus é muito rica em todos os sentidos possíveis. É bom acordar de manhã e ler ao menos um capítulo, ou se tiver mais fôlego, vários ou mesmo um livro inteiro. Por exemplo o Salmo 119. Que riqueza esse salmo, não? Uma verdadeira ode à Palavra de Deus. Quanta riqueza esse acróstico tem. Jó é um livro de poesia pura, cheia de riqueza literárias, que influenciou grandes obras mundiais, como Mobidik, A Divina Comédia, e outros. Assim é Jó. As mensagens alimentadoras dele são umas doçuras para serem degustadas.
Assim é a Bíblia, o livro dos livros. Tenhamos ele sempre perto de nós e em nosso coração, nossa arma, nossa espada, nosso tudo.

PROFISSÃO DE FÉ

Todas as vezes que alguém vai dar a profissão de fé, fico admirado como a maioria erra nos motivos que levam a pessoa a dar essa profissão.
Sempre dizem que querem fazer parte do corpo de Cristo, a igreja. Mas elas esquecem que já fazem parte desse corpo assim que aceita Jesus Cristo como salvador de sua vida. Quem é que ensina elas errado? Se fosse verdade que só fizesse parte do corpo de Cristo quem se batiza, quem morresse sem batismo não iria para o céu.
Outra coisa que dizem é se aparecer alguém de outra igreja, a pessoa que está ali para se batizar, aceitaria namorar cm ela.A resposta deve ser não, tem que casar com alguém da mesma igreja, não importa se a pessoa é evangélica, omo se o Cristo dela fosse outro Cristo. Mas Efésios diz que há uma só fé, um só Senhor, um só batismo(Ef. 4.5). Então por que recusar o namoro? Só por ser outra igreja? Não será presunção achar que só certa igreja é a certa? Não foi essa a forma de pensar de Israel e dos Fariseus e Saduceus? Achavam que só eles seriam salvos e eram justos, quando na verdade eram os piores que existia.
Devia se proibir namorar com nao-crentes. Além do mais, julgo desigual é entre crentes e não-crentes, e não entre crentes e crentes.Veja aí. Paulo fala isso lá em Coríntios (1 Co 4.3).
Então devemos também prestar atenção nessas coisas e ensinar certo. E jamais se deve dizer como ouvi um dia desses: "Muita ignora que nós falamos de costumes, e que a Bíblia não fala sobre certos costumes que nós ensinamos, como uso bermuda, cortar cabelo, etc. Os costumes e a efetivação das doutrinas bíblicas." Isso é errado. Doutrina bíblica não muda, é a Palavra de Deus, agora costumes mudam sempre.Não se deve equiparar uma coisa com a outra. Uma é passageira, a outra, é eterno.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

AO ORAR

Ao orar, nós geralmente pedimos por nós mesmos ou por nossos parentes, e falamos com Deus muitas vezes como se ele estivesse bem distante de nós. Falamos de modo tão formal, que não parece que estamos falando com nosso Pai, mas com uma pessoa distante.
Precisamos ver que não falamos com alguém distante, mas com nosso Deus, que apesar de ser infinitamente poderoso, se importa com a gente. Precisamos por para fora nossos sentimentos, do mesmo modo como colocamos para fora os sentimentos diante de um psicólogo e de um terapeuta. Falamos tudo que ele precisa ouvir, e falamos coisas que geralmente não falamos para Deus, que mais do que ninguém, nos entende.
Precisamos orar assim mais vezes, falando o que sentimos e estamos querendo, e até de tudo que já passamos na nossa vida. Deus está pronto a ouvir, e precisamos apenas ter coragem de falar o que nós sentimos, já que é uma conversa a oração. E conversa entre amigos íntimos.
Mas para muita gente, Deus não iria se importar com poucas coisas, como uma roupa, sandálias, e até comida. Ele se importa com tudo. Ele se importa com tudo que se refere a nós. Por sermos agora redimidos ele está disposto a ouvir nossa oração, já que agora, a justiça de Cristo foi atribuída a nós, e temos ousadia para entrar no santuário, pelo novo e vivo caminho que ele inaugurou. Então, falemos tudo que precisamos falar, pois o melhor terapeuta é Deus, que cura qualquer ferida em nós, traumas, medos, e o que quer que seja, pois ele é o Deus dos impossíveis e não há nada a temer, fiquemos na rocha, pois é ele quem perdoa nossas enfermidades e cura-nos de todo mal. Entremos com confiança no trono da Graça.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

PAULO E ROUSSEAU: CONHECER DEUS PELA NATUREZA


Jean Jaques Rousseau (1712- 1778), foi mesmo um grande filósofo, sem dúvida. Para uns ele foi o pai da Revolução Francesa, Para outros, da tirania, e ainda do Socialismo de Estado. Cada um teve uma ideia diferente sobre ele, e até hoje ele é estudado, por suas ideias serem tão controversas.

o bom selvagem
Uma das suas inovações foi dizer que Deus pode ser encontrado na natureza, que algumas pessoas tem deturpado a ideia certa de Deus, o Ser supremo, que pode ser "lido" nela, que é  o seu melhor livro. Dessa forma, ele aponta para Deus, mas mesmo assim diz que ele ainda está longe, coisa que o filósofo não compreendeu direito, pois Paulo mostrou Deus, mesmo imanente, tão perto de nós como sua criação. Segundo Rousseau, o homem é bom, mas a sociedade o corrompeu.E essa ideia sua não foi compreendida ou não foi aceita por muita gente, como Voltaire, que, respondendo uma carta de Rousseau, disse que "estava velho demais para voltar a andar de quatro patas", se referindo ao estado do bom selvagem. Mas a igreja em sua terra natal, a Suécia, também não  aceitou essa ideia, dizendo que era contra o cristianismo. Mas essa ideia, ou doutrina, não é nova; a Bíblia já falava isso, que Deus pode e se revela pela natureza, como no Salmo 19. Lá, o salmista diz que "os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento as obras de suas mãos". Então nesse ponto Rousseau estava certo, pois Deus pode se encontrado na natureza, "tanto  o seu eterno poder, quanto sua glória, sua Pessoa". No capítulo 1 de Romanos ele diz claramente que tudo que foi criado fala de Deus. Eles, os homens, transformaram a glória do Deus invisível em imagens de animais das mais diversas maneiras. Paulo se refere também ao fato do homem ser essencialmente mau, baseado no livro de Gênesis, no capítulo 6, onde Deus diz que o homem é mau desde a sua meninice, e não como diz o filósofo, "que ele é bom quando nasce, e é corrompido depois". Na verdade, o homem nasce mau e se torna ainda mais mau, tanto pela sociedade, quanto por ele mesmo, dando vazão aos seus prazeres e inclinações. A própria sociedade é corrompida, que é formada por homens corrompidos;só podia ser assim.
A religião que Rousseau tanto execrou foi a Católica, na época mantinha tanta influencia na sociedade de então. Ele diz que os homens corromperam os ensinamentos de Deus, que Deus não era como eles diziam, que um Deus que escolhe só um povo, não é um Deus ideal. E que também não condena suas criaturas ao inferno.  Mas levar isso em conta é esquecer que o homem, segundo a Bíblia, colhe o que planta (Gl 6.7).  O Deus que criou o homem, é o mesmo Deus que o condena de acordo com o que cada um faz; assim, ele faz o que é justo. 
Paulo também se baseou em Isaías 40, onde o profeta fala que "Deus chama as estrelas pelo seu nome, e que nenhuma delas faltará." Davi, no Salmo 8, louva a Deus "por sua criação, pela lua ,pelas estrelas, por toda a natureza;" também o Salmo 148 é uma ode ao Senhor por tudo que foi criado. Ao longo de toda a Bíblia há essa revelação de Deus pela natureza, coisa que bem falou Rousseau em tentar estabelecer a religião natural. Foi uma ideia original para a época, que o diferenciou dos demais filósofos de seu tempo e outros, como Diderot, Strauss, que foi um grande antropólogo, que se baseou em Rousseau para estabelecer suas teorias. Paulo e o filósofo da natureza concordaram nesse ponto tão  interessante. Pode ir a Deus pela natureza, o que é tão natural. O filósofo não estava com uma fé cega, mas racional, sabia o que estava dizendo. Ele apenas não a seguiu como deveria, pois sabendo disso, do Deus que se revela em sua criação, poderia tê-lo servido melhor.

sábado, 21 de dezembro de 2013

O REQUERIMENTO DO DEPUTADO ADAUTO

O presbítero Adauto Santos, embora tenha sido tão criticado por entrar na política, e até de ser acusado, juntamente com a Mesa diretora da IEADPE, de estar usando o nome da igreja para se eleger, está fazendo um belo trabalho na Assembléia Legislativa de Pernambuco, a ALEPE. Não estou aqui elogiando apenas por ele ser jm deputado que foi eleito para defender a igreja, coisa que Cristo já faz muito bem, mas para parabenizá-lo pelo bom trabalho. Apesar de ser do ano passado, achei por bem divulgar algo que ele fez, já que quase não ficamos sabendo. Abaixo um de seus requerimentos:

Requerimento Nº 1147/2012

Requeremos à Mesa, ouvido o Plenário e cumpridas as formalidades regimentais, 
que seja formulado um VOTO DE APLAUSO, à IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS, 
pela passagem dos 70 anos do Círculo de Oração no Brasil. 
Da decisão da Casa, e do inteiro teor desta proposição, dê-se conhecimento ao 
Pastor Ailton José Alves – Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de DEUS 
no Estado de Pernambuco.
Justificativa
No dia 6 de março a Igreja Evangélica Assembleia de DEUS comemorou 70 anos de 
fundação do Círculo de Oração no Brasil, sendo uma das maiores marcas das 
Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Brasil. O nome “Círculo de Oração”, 
segundo a fundadora Albertina Bezerra Barreto, foi inspirado num folheto que 
havia lido cujo texto explicava que a oração era como um círculo nos céus: 
“Quando estávamos orando, lembrei-me da mensagem e disse: – Vamos circular os 
céus com as nossas orações”. 
As reuniões de orações sob a direção de mulheres nas Igrejas Assembleias de 
Deus ocorrem provavelmente desde o dia 2 de junho de 1911 em Belém do Pará, 
quando as crentes batistas Celina Albuquerque e Maria de Nazaré, convictas da 
promessa bíblica do batismo no Espírito Santo pregada pelos pioneiros Daniel 
Berg e Gunnar Vingren, decidiram se reunir e buscar o revestimento de poder 
para suas próprias vidas. Desde então, essas reuniões de oração não cessaram. 
Hoje, há quase mil círculos de oração só no Grande Recife, com reuniões de 
oração concorridas e fervorosas.
Sala das Reuniões, em 19 de março de 2012.
Adalto Santos
Deputado

A LEI, O PECADO, E OS GEMIDOS

O livro de Romanos é um dos livros doutrinários mais lindos, lidos e ricos do Novo Testamento. Nele, o apóstolo Paulo sistematiza a doutrina cristã e revela segredos que antes não havia sido revelado por que Deus os estava guardando para o momento oportuno, o tempo da Graça, onde as verdades, que até os anjos queriam se ocupar, como disse Pedro, seriam reveladas a todos os que viessem a Deus, principalmente os pequeninos, como enfatizou Jesus em Mateus.


No capítulo 1, ele começa falando do pecado generalizado na raça humana, e como ele se desenvolveu a ponto de afastar os homens de Deus e torná-los escravos da idolatria em todas as formas imorais, "transformando a glória do Deus invisíveis em répteis", diz o apóstolo nesse  capítulo.
No segundo, ele fala dos judeus, da Lei que foi dada a eles, das promessas, dos patriarcas...No entanto, isso não tornava eles melhores do que todos, mas mais responsáveis pelos seus atos, os gentios, que não tinha a Lei, poderia ser tão justo como eles, apenas pelo fato de obedecerem a Deus seguindo a lei de seu entendimento, também dado por Deus a todos os seres humanos. Os que sem lei pecaram, sem lei perecerão, e os que pecaram com a Lei por ela serão julgados, diz ele no versículo 12-15. Os judeus pensavam que eram melhores que os gentios, mas não eram. Deus encerrou todos debaixo do pecado, diz Saulo. E assim foi.Ninguém pode ser considerado melhor que ninguém, pois o que eles podem ter de Deus é por sua infinita misericórdia.
No capítulo 3 Paulo continua falando dos judeus. Ele fala da  justificação pelo sangue de Cristo, pois todos pecaram e estão longe da graça de Deus, só se aproximando e tendo acesso a Deus por causa da redenção e a propiciação efetuada por Jesus, que desde o A.T. vem sendo predito(Lv 16.15; Is 53;54).
No capítulo 4 ele fala da justificação de Abraão, pela fé, e não pela Lei, que tanto os judeus idolatravam, e se achavam melhores do que todos os gentios, e por causa disso não foram justificados, mas permaneceram em seus pecados, pois a justificação é pela fé com Paulo fala no capítulo 1.17. O patriarca foi justificado não pela Lei, que veio mas de quatro séculos depois, mas por sua fé em Deus. Mas a elite de Jerusalém não viu isso, os Fariseus, os Saduceus, os Herodianos, os Zelotes, enfim, todos permaneceram na cegueira da justificação pela Lei, coisa que Deus nunca quis,mas ela serviu de aio até que viesse a posteridade, Cristo.
No capítulo 5 Paulo continua falando da justificação pela fé, que nos faz ficar alegres mesmo na tribulação, que produz a perseverança, que produz a paciência. Diz mais que "a morte reinou até Moisés..."Paulo aqui fala da solidariedade racial.Não houve pecado com o pecado de Adão, mas todos morreram apesar de não desobedecerem a uma ordem específica dada por Deus a alguém. Isso se chama solidariedade da família, como o fato de Hebreus dizer que Levi estava nos lombos de Abraão, portanto, também deu dízimo a Deus Gn 14.18-20; a solidariedade da família em Js7.16-26; em Adão o que predomina é a solidariedade racial, pois embora a humanidade não estava com Adão quando ele pecou, é descendência dele. Essa é a doutrina ensinada por Paulo.
No capítulo 7 Paula enfatiza os efeitos do pecado. Usando uma figura de linguagem, prosopopeia, ele personaliza o pecado usando a lei, algo bom, para fazer o indivíduo pecar. O natural seria usar algo ruim, mas o pecado é tão maléfico, que usou algo bom, pois a lei dizia não matarás, o pecado usando o próprio mandamento de Deus, escraviza o homem, paradoxalmente. A pessoa fica sem vontade própria, já se tornou um servo do pecado, por causa da natureza decaída do homem -7.19-25-, e isso só Cristo consegue resolver.
No capitulo 8 ele fala sobre a libertação advinda da redenção, pela fé, da propiciação pelo sangue de Cristo, e que agora somos guiados por seu Espírito Santo, sendo, por isso, filhos de Deus todo aquele que creu como Abraão creu em Deus, e foi justificado pela fé, e não pelas obras da Lei, pois por ela, nenhuma carne será justificada, segundo ensina o apostolo. Todo aquele que vive no Espírito, cumpriu a justiça da Lei, pois quem vive na carne não pode agradar a Deus, mas só quem vive sendo guiado pelo Consolador (8.3-5). Essa é uma grande verdade. É por isso que ele fala sobre os três gemidos. O primeiro, da natureza (vv.20-22); o segundo, do crente(vv.22-25); o terceiro, do Espírito, que intercede no crente, de modo inexprimível, que ninguém entende, só Deus. Esses são os gemidos que perdurará até à vinda de Cristo á terra, para vim buscar sua noiva, tornar tudo novo, com enfatizou Isaías, repetiu João em Apocalipse, e Paulo fala em Romanos. Esperemos a redenção e a vitória sobre o pecado.


BIBLIOGRAFIA

BÍblia de Estudo Pentecostal;
Comentário Bíblico AT E NT;
A Bíblia Mover de Deus