terça-feira, 30 de novembro de 2010

CONGRESSO DA MOCIDADE EM RECIFE

Os jovens de Recife estão triunfando sobre a carne. Este é o tema do congresso da Mocidade de Recife neste ano. Cada ano tem sua peculiaridade. Este ano teve a dele.

No sábado, o número foi bem reduzido em relação ao ano passado. O que marcou este ano foi a tenda enorme, na qual cabe 2000 pessoas sentadas, segundo o pastor Ailton. Realmente tinha muita gente sentada. Havia, nessa área, dois telões enormes para que o culto pudesse ser visto. O som estava bom. Límpido. Havia mais jovens e adolescentes do que adultos, pois geralmente só os adultos e idosos que ficam sentados. O número de jovens aumentou mesmo, consideravelmente.

Havia até mesmo um número muito reduzido de ministros sentados no púlpito. Nem na festa dos adolescentes o número foi tão pouco. Pode ser que nesse dia houve festas em suas congregações. Fora isso, não se pode explicar a verdadeira razão disso. Podia-se vislumbrar o pastor Ailton, presidente da Convenção Estadual e da igreja de Recife; pastor Samuel, vice presidente da igreja; o pastor Josiel Soares; Jéferson Aleluia, evangelista; o pastor Junior, o pregador erudito,e entre outros. A bancada estava quase vazia, se não fosse por esses citados. Os outros ministros fizeram falta. Bonito é quando estão todos ali sentados.

O Grande Coral estava espetacular. Enorme. Nunca o vi assim tão grande.A grande novidade foi que o regente não foi mais Flávio torres, que praticamente mandava sozinho nesses dias de Congresso da Mocidade. A doença o impossibilitou de ficar de frente dessa obra. O irmão Sandine foi chamado para assumir e ensaiar  esse coro. Regeu com segurança e desenvoltura. Outra surpresa foi o primeiro tenor que solou um dos hinos,o irmão Cesar, do Córrego do Botijão. O mesmo é filho da irmã Sara, tendo feito o curso básico de música na mesma igreja e aperfeiçoado sozinho. Praticamente é um autodidata. Também o mesmo é vice regente no coral masculino de Casa amarela. Daqui a um tempo, certamente estará também regendo esses jovens, pois tem talento e daqui para lá terá se aperfeiçoado mais. O irmão Sandine estudou no Seminário Batista do Nordeste, onde há um curso teológico e de música bem concorridos. Impressionante a voz de Cesar. Imponente, firme, procurando mostrar segurança, embora não escondesse que estava nervoso por estar ali na frente sendo assistido por mais de cinco mil pessoa no Templo Central além dos milhares que estavam assistindo ao culto pela internet. Sua interpretação foi tanto musical quanto expressiva. Foi uma boa performance, para a glória de Iaohu. Dois hinos foram cantados pelo grande coral e todos os dois regidos pelo maestro Sandine.

Dava para se perder naquela multidão de gente. Dentro e fora.Chegou uma hora que tiveram de proibir a entrada de irmãos, a não ser que saíssem uma parte, como agora acontece todos os anos por causa do ar-condicionado, que mesmo sendo potente, não funcionará bem se o número ultrapassar o normal. Os jovens, que não quiseram entrar para cultuar lá dentro, ficaram lá fora, no point ,conversando, e muitos deles até paquerando as garotas mais incautas, que também, infelizmente, vão ali, não para adorar a Deus, mas para espairecer, se livrar um pouco da vigilância dos familiares e se soltar um pouco. Nos olhos desses jovens se vê a expressão da rebeldia, como se cultuar fosse algo tão fútil para eles. As que se deixam levar terminam no final com responsabilidades que não deveriam ter nem tão cedo.

A mensagem foi baseada em Gn capítulo 41.31-38, que fala sobre José, o jovem que triunfou sobre a carne. Uma boa mensagem dada pelo pastor convidado. No começo não pareceu muito bem o pastor, mas na metade para o final o Espírito Santo foi aquecendo os corações e Iavé falou com muitos ali. Terminou de mais de nove horas de noite. O pastor chamou os jovens para serem batizados com o Espírito Santo, e, como acontece sempre, muitos deles foram, embora um grande número também ficou apático.

Outros anos virão e sempre trarão muitas novidades para o nosso Congresso da Mocidade. Recife ficará mais uma vez embebido no poder de Deus.



quinta-feira, 25 de novembro de 2010

PASTOR AILTON OU PASTOR SAMUEL?

Quem quiser se aconselhar com o pastor Ailton é preciso ter muita paciência, pois no mínimo, demorará um mês, isso para ser otimista. Todo mundo quer falar com o pastor Ailton, se aconselhar com ele, beber da fonte que o mantém.

Apesar das grandes ocupações do líder da igreja de Pernambuco, que é terrivelmente grande – só na Região Metropolitana são mais de cem mil membros –,e por isso mesmo, tão difícil de administrar. Reunir-se com o ministério, visitar enfermos, ver como está a igreja financeiramente, os problemas de muitos membros, os mais diversos possíveis, dificuldades as mais inimagináveis para que não está por dentro de tudo que acontece. O Ministério Público, que sempre está monitorando a igreja por causa das denuncias que recebe, os projetos sociais,construção de templos, pagamentos de pastores e evangelistas... Não é fácil a vida de um pastor. Sem contar a batalha espiritual que o mesmo enfrenta, pois a obra de Deus enfrenta o reino das Trevas, que, como o nome já diz, denota organização, sistematização. Não há tempo para nada. Nada mesmo.

Mas a igreja não quer saber disso, quer ter o prazer de se aconselhar com ele, principalmente as irmãs, que são as que mais admiram-no. Até parece que só o pastor Ailton. Não. O pastor Samuel também está em seu gabinete de 8:00h às 11:00h para receber quem quer que seja. O pastor presidente tem centenas esperando ele. O pastor Samuel, não. Infelizmente, pois o mesmo tem a mesma capacidade que o primeiro, pois ambos foram chamados por Deus, capacitados por Ele. A unção está nos dois. Não escolho com quem eu devo aconselhar-me. Tanto faz um ou outro. Se bem que o pastor presidente tem menos tempo que o pastor Samuel. Veja aí o carinho dos irmãos. Acostumaram-se a isso. Até há pouco tempo, quando ele ainda estava dando seus primeiros passos como presidente de nossa denominação, não havia tanta vontade em conhecê-lo.

Isso poderia ser mudado, se nas congregações do subúrbio tivesse um dia no qual o evangelista ou pastor, demarcaria um dia para aconselhar os irmãos, casais, problemas os mais diversos da igreja. Pastor é para isso mesmo, para estar perto da igreja, conhecer bem as ovelhas, cuidar delas. Alguns agem como se tivesse medo do rebanho. Quase não vêm à congregação que não é pólo ou mais importante. Não pode ser assim. Para que o pastor Ailton não fique sufocado, faria que os evangelistas aconselhassem nos subúrbios, com fez Moisés no deserto. Há pessoas que só vão falar com ele no ano que vem, depois de vários meses de espera. Haja paciência.











sexta-feira, 19 de novembro de 2010

CULTO DE CASAIS DIFERENTE

Foi na J..., em Recife,PE, no último Culto Para Casais do ano. Geralmente, os que organizam, procuram fazer tudo de maneira que tenha uma característica romântica, bem animado. Não há dúvida que esse culto tem sido uma bênção e Deus tem feito muitas coisas para a glória dele. Muitos  casais têm sido renovados por causa disso. Deus tem ajudado muito e feito grandes coisas.
Quem estão à frente dessa organização são os irmãos Luiz Carlos, diácono da igreja; irmão Leandro e sua esposa; a irmã Selma, dirigente do coral, e o seu esposo; e a irmã Marinalva e seu esposo, irmão Teudas, auxiliar da mesma congregação.
Estava tudo organizado como de costume. Os panfletos estavam sendo entregues, a mesa estava forrada, e os irmãos recebendo os casais que chegavam. Porém, na mesa, havia vinte litros de chá verde, biscoito e bolacha. Mas o melhor foi a chuva que veio, e obrigou os irmãos a colocarem a mesa dentro de templo, em frente do púlpito. Não deu para quem quis! Todo mundo bebeu do chá e comeu a bolacha. Mas isso, após o culto, claro. Não ficou nem uma gota do mesmo. A bolacha e o biscoito nem se fala! Foi um dos cultos para casais mais bem feito que a Avenida J... teve. Sem contar a palavra dada. O auxiliar de trabalho que fez a preleção tem um talento  enorme para aconselhar casais. Falou muito bem, explicou direito o assunto, mostrando conhecimento e uma visão abrangente sobre o tema. Ninguém entendeu o fato do mesmo ainda ser auxiliar – não que isso seja vergonha ou algo inferior –, mas que ele tem o dom para ensinar, capacidade de Deus para isso. É um dom de Deus que independe de cargo, de função. Preparado não só para ser presbítero, creio eu, mas pastor também. Todos gostaram dele. Iria ser lido um poema feito pelo poeta da J..., mas a irmã, que declamaria, esqueceu de levar a poesia, elaborada especialmente para o culto. Quem lá precisar de um poema, ou qualquer outro tipo de texto, contata o irmão,e ele tem todo o prazer em ajudar.
No próximo culto foi feito algo também especial, e Deus foi glorificado, e os irmãos se alegraram, e se regozijaram  mais ainda. A equipe é competente e vai fazer tudo para IAOHU ser glorificado.





MINHA ESPERANÇA

Minha esperança é Deus. Confio n'Ele que um dia tudo passará e tudo que, agora, atormenta a mente findará assim como começou. Há tempo para tudo, e nada vai durar aqui para sempre. Um dia tudo acaba: as mágoas, tristeza, angustia, falta de fé, desamor aflição, medo. Só existirá a paz no vale. As campinas se encherão de comida como de um monte. A paz, então me guiará e acalentará meus sonhos. Erguerão como o sol ao meio dia.

O PREGADOR DA BICICLETA

Ele mora em um bairro próximo a  Beberibe. Caráter um pouco rebelde, desses que gosta de fazer o que pensa, e não o que manda as normas da igreja ou de uma comunidade evangélica de que faz parte. Gosta de fazer as coisas de um modo um tanto excêntrico.

E ele faz bem feito. Durante toda a semana praticamente é possível vê-lo pegar sua bicicleta, acoplada com um microfone e um caixa de som e armar seu palco para levar uma mensagem evangélica aos moradores da localidade onde ele chega para dar a mensagem de Cristo aos pecadores. Sua figura magra, sua voz de taboca rachada, meio gago, o deixa um pouco engraçado. Alguns absurdos que ele faz e diz também. Certa vez, quando estava pregando, sozinho, como sempre, chamou um garoto que passava perto dele e mandou que cantasse um hino. Mas o engraçado também foi que nesse mesmo dia que ele armou sua “tenda” na praça da Josélia, estava havendo um culto festivo na Assembléia de Deus da mesma, onde ele já fez parte. Conta que desvinculou-se da mesma. Não tinha como. Num culto que houve, ele levantou-se no meio da preleção do oficial da igreja e disse umas coisas pessoais dele e da família; nas palavras ditas se via descontentamento de sua parte. Tinha que dar nessa sua saída.

Os moradores da localidade de Nova Descoberta já o conhece. Vez ou outra ele leva um irmão consigo e deixa-o da uma palavra, cantar ou pregar. Para mostrar legitimidade de seu trabalho, cita o constituição, Artigo 5, onde diz que no Brasil há liberdade de culto, que ninguém pode proibir, etc. fica até um pouco depois das nove. Talvez para diferenciar de sua antiga congregação, que sempre termina às nove em ponto. O pregador da bicicleta não descança. Que força de vontade. Amor à obra. Compromisso. Mesmo depois de uma jornada de trabalho dirigindo – sim, é motorista –, pega sua bicicleta e sai. Num lugar que ele achar mais conveniente, ou, talvez, Deus lhe indique, ele para, sobe num poste ou numa árvore perto e coloca picape, cujo som é forte, chega longe. Sua esposa nem o filho não o acompanha –por quê será? – ao santo trabalho. Presumo que terá um belo galardão por levar as Boas Novas de salvação num horário e lugares que ninguém ou pouca gente tem coragem de fazê-lo. Nem mesmo pastor ou evangelista.

O pregador da bicicleta é muito corajoso. Pregador corajoso e consciente de seu trabalho. Onde precisar pregar ele estará lá. Ninguém vai poder dizer diante do Trono Branco que não ouviu a mensagem do Evangelho.









quarta-feira, 17 de novembro de 2010

OS TRÊS VALENTES

  Desde que foram para o campo missionário, os irmãos Gilberto Diniz, Hélio Ribeiro, e Waldemir Farias, deixaram muita saudade. Dois deles foram para a Argentina o pseudo país Europeu. A luta que eles enfrentam é a mesma dos missionários em todo o mundo: o embate do Reino de Deus contra o Reino de Satanás. É preciso muita coragem para ir ao campo missionário. E amor a Deus e à humanidade.

Os mais carismáticos dos três é Waldemir Farias, um dos maiores pregadores de Pernambuco, entendido na Palavra e com uma voz que não faria feio como locutor. Se trabalhasse como radialista somente, seria competente. Fiquei impressionado no dia que o vi falando sobre o capítulo um de Ezequiel, coisa que os irmãos geralmente não pregam, ou por ignorância mesmo ou então por que não têm coragem. Há muitas coisas nesse livro que, se pregado, deixaria a igreja com o cabelo em pé, como os capítulos 22 e o 16. Mas ele pregou no capítulo primeiro sobre uma das mais complexas e lindas teofanias de Deus. IAVÉ aparece numa visão tremenda a Ezequiel. Coisa maravilhosa. Com capacidade dada por Deus, esse evangelista falou uma mensagem tremenda. Não se aprofundou muito no tema, pois alguns irmãos não compreenderiam. Creio que foi esse o motivo dele. Uma vez ele pregou no Templo Central (pregava muito por lá), causando muita emoção na mocidade– foi no Congresso –, pois o mesmo sempre prega uma mensagem ungida por Deus. Gostava muito, e gosto, de escutá-lo predicar. Deus o usa muito. Graças seja dada a Ele.

Outro que impressiona muito é Hélio Ribeiro, conhecedor da Palavra, a quem o pastor chamou de “meu braço direito.” Foi com relutância que o pastor presidente deixou que ele fosse para a África do Sul.  “Se dependesse de mim ele não iria irmãos”, disse o pastor Aílton. Mas ele foi e fez um trabalho maravilhoso por lá. Uma coisa que ficou marcada para sempre em mim foi o Simpósio da Família dirigido por ele. Ensinou maravilhosamente bem. Foi no Córrego do Botijão. Esclareceu muitas dúvidas dos irmãos. Até coisas corriqueiras, que os irmãos, por causa do exagero de alguns costumes, ignoravam. Um pouco ortodoxo, mas pregou dentro da Bíblia. Aprendi muitas coisas com ele. Por ser ortodoxo foi que ele ensinou bem. Graças a Deus pela vida desse servo d’Ele. Emociona todo mundo quando conta a experiência dele, o “treinamento” de Deus na sua vida. Passou por uma prova terrível. Sofreu muito até que ele ficasse “no ponto” de Deus. Até hoje os irmãos do Botijão choram a ausência dele. Ele e Waldemir Farias fizeram uma falta lancinante. Certa vez, fiz uma poesia falando da África, denominada “Conquistando A África do Sul. Mandei para ele, mas até hoje não sei se recebeu, pois não obtive resposta alguma. Mandei também para pastor Aílton.  Ele é músico e pastor. Bela combinação. Toca um violão muito bem. Conhece bem as notas, tem um bom ouvido. Tem dois filhos e uma mulher inteligente, e fiel a Deus. Certa vez, quando ele estava assumindo a igreja do Botijão, procurei saber se ele poderia me ajudar a pegar livros no Templo Central. Infelizmente, não tive a chance. Fiquei sem livros. Ele então me presenteou com um Novo Testamento Trilíngue. Aprendi muito com esse Novo Testamento. Grego, inglês e português. Fiquei sabendo, depois, que ele passou pelo mesmo problema que eu: a dificuldade em ter livros para estudar. Ficou emocionado, penso. Escrevi para ele algumas vezes, quando já estava no campo. Devido aos afazeres na época,creio não  respondeu. Que Deus continue abençoando Seu servo. O último, Gilberto Diniz, também é muito eloqüente. Meu irmão, desviado há mais de vinte anos, gostou muito de escutar e vê-lo pregar na Sete de Setembro. Disse que fez lembrar o irmão de Eliezer Rosa, o que morreu no acidente na Serra das Russas, a caminho de Caruaru. Disse meu irmão que esse parente de Eliezer foi um pregador excelente. Eu nunca o conheci. Gostaria de ter a experiência de vê-lo pregar sobre algum versículo do livro de Cantares, onde ele pregava majestosamente, como disse meu irmão. Pois bem, meu irmão disse que Gilberto é bastante eloqüente. “Ele vai dentro do assunto”, disse. Fiquei impressionado com o que ele falou. Não é de se impressionar fácil. Quando crente, era acostumado a dar grandes mensagens de Deus. Uma das pregações que o impressionou foi quando o irmão Gilberto, pregando, fez uma analogia com o cervo fugindo do leão, e o Diabo, querendo derrubar o crente. Ao contar, isso a emoção foi grande nele. Dei graças a Deus por isso. Graças ao Pai por existirem servos que pregam a palavra. Outra coisa que esse evangelista contou também,  nunca mais meu irmão esqueceu. Sobre uma pessoa, não lembro se homem ou mulher, que o discriminou por não possuir curso de Teologia. Disse que ele não poderia nem assumir a classe de Escola Dominical. Que absurdo! O que sei é que Deus o exaltou em relação a isso. Não tem curso de Teologia – pode se que ele tenha se formado, não sei –, mas prega dentro da Palavra de Deus. Nunca mais esqueci quando ele, num dos Simpósios de Música em Casa Amarela, pregou no livro das Crônicas, na parte de genealogia. Explicou o significado dos nomes e pregou em cima disso. Só alguém com unção e poder de Deus na vida, poderia pregar daquele jeito. Graças a Deus por isso. Que mensagem! Não é do tipo arrogante, segundo dizem. Também é um dos valentes do pastor Aílton aqui em Recife, o qual muito se entristeceu com sua ida para a Argentina. Fiquei estarrecido com o que falaram dele ao pastor Aílton quando este queria colocá-lo num lugar de honra. Disseram barbaridades a respeito dele. Acusações terríveis, que me fizeram pensar que essas pessoas que o acusaram sejam verdadeiros joios no meio do rebanho de Deus. Esse irmão disse uma vez que sofreu muito, dormiu até na rua, desprezado pela família por ser evangélico. Tinha só uma única roupa no corpo, um só sapato, furado. Deus então falou para ele que tinha uma obra muito grande em sua vida, que iria chegar um tempo que ele iria causar espanto. E tudo se cumpriu na vida dele. Glória a Deus. Há uma coisa comum entre eles: Todos sofreram muito antes de serem chamados para o ministério e o campo missionário. Deus preparou todos eles, pois só envia os melhores.

Que Deus continue levantando outros como esses, para que a Sua obra sempre esteja crescendo. Precisamos disso. Creio que esse seja o desejo de todos nós. Eu mesmo nunca esqueci esses três irmãos. Grandes pregadores da Palavra, que fazem lembrar os anos oitenta, na época “áurea” de nossa igreja– não que estamos em decadência, ao contrário, estamos no auge –, quando os pastores Gesiel Gomes, Napoleão Falcão e Hidekazu Takaiama, pregavam muito por aqui. Esses também pregam bastante. Aos poucos, estão surgindo alguns assim em Pernambuco . O mais conhecido deles na área de Nova Descoberta, e agora em Recife, é Gesiel Soares. Lembra Gilberto Diniz pregando, mas o estilo é diferente. O que os aproxima é a maneira comedida no falar. Que nunca haja na igreja um vazio de homens assim, que sempre aja uma boa safra.


































































































































PASTOR JUNIOR: O PREGADOR ERUDITO

PASTOR JUNIOR NA RADIO BOAS NOVAS
Todos sabem o quanto é cobrado de um pastor: que seus filhos sigam seus passos. Todos sabem que ser um filho de pastor exige que haja policiamento para que não fique fora da Palavra de Iavé – parece até que filho de pastor não é humano, mas um robô, tamanha é a exigência e pressão sobre os mesmos. Sinceridade, dois filhos de pastores chamaram a minha atenção, aliás, três, aqui no Brasil, dos que eu conheci, não pessoalmente, não todos, mas que vi e ou vi pregar, ou li alguma obra dos mesmos. O primeiro foi Caio Fábio mas infelizmente, caiu em desgraça, apoiando partidos controversos e seguindo heresias; o segundo, Josué Gonçalves; o terceiro, Ailton Junior, pastor de nossa denominação.
Quando, certa vez, no Templo Central, ouvi e vi uma prédica sua, fiquei impressionado. Leu no livro de Hebreus um assunto que falava sobre disciplina, que no grego é Paidéia. E começou dando exemplos sobre as correções de Deus, quando muitas vezes nos trata assim por sermos filhos dele. O pastor Ailton havia viajado, e o seu filho ficou dirigindo o culto, num culto à noite. Falou também sobre Davi, seus pecados, de como Deus o disciplinou e teve misericórdia dele. Também falou sobre a História da Igreja, e disse que antigamente uma disciplina eclesiástica durava 15 anos! Algumas vezes cinco, ou dez. Fiquei espantado. Citou um escritor chamado Justo González, que escreveu uma coleção de livros sobre as eras da igreja desde o primeiro século, se não me engano. Estava muito empolgado na sua pregação, usando termos eruditos, difíceis de entender para alguns, mas que deu para compreender o “miolo”, a idéia principal. Mesmo quem não conhecia esses termos raros entendeu o que foi falado. Foi uma das pregações que mais me impressionaram. E foram poucas.
Certo dia, nos primeiros dias da Radio Boas Novas, o vi falando sobre Filosofia e citou o filósofo Kant, que até hoje influencia o pensamento ocidental, muito estudado nas universidades e nos melhores cursos de Filosofia. Pelo que pude entender e lembrar agora, o pastor discordou de alguns pontos falados por um psicólogo que estava sendo entrevistado. Foi numa manhã. Fez-me lembrar um grande pregador, articulista do jornal "Mensageiro da Paz", que muito pregava por aqui, impressionava pelo grande conhecimento que tinha e tem, e a maturidade, apesar de pouca idade que possuía. Era o irmão Silas Daniel, que hoje é evangelista no Sudeste e trabalha na CPAD. Pelo que me lembro, o pastor Junior deu uma aula sobre filosofia. Lembrei dele ao ler o livro "O Mundo de Sofia", de Jostein Gaarder, escritor norueguês de grande erudição. Ele, o irmão Junior, até hoje impressiona por ser tão novo, e já pastor. Há irmãos que passam toda a vida como diácono ou auxiliar. Não que isso os desmereça ou os torne inferior, é apenas uma comparação. Há muitos que galgam grandes posições na igreja mesmo assim permanecem imaturos. Ainda bem que não é a maioria. Claro que o pastor em questão deu provas suficientes de que é maduro e experiente. Maturidade não tem idade.
O que se pode esperar de alguém que faz a obra de Deus é que cresça mais, que faça a obra do Senhor com afinco e que dê sempre bons exemplos e que continue agindo assim até o dia da sua volta. Que a soberba não seja nunca a regra e nem uma exceção na vida desses servos. Que IAOHU levante homens cada vez melhores. A igreja precisa.















terça-feira, 16 de novembro de 2010

CAMPANHA EVANGELIZADORA ANIVERSARIA

A igreja Assembléia de Deus da Avenida Josélia, área 58, realizou, nos dias 13 e 14 de novembro, o 19º aniversário do CEADAJ, Campanha Evangelizadora da Assembléia da mesma, tendo como tema o versículo 3.17 de 2 Reis, que diz: “ Não vereis vento, e não vereis chuva; todavia esse vale se encherá de tanta água...”



A campanha é dirigida pela irmã Carla Fabiana,juntamente com a vice – dirigente, a irmã Lucelene, e também a vice – secretária, a irmã Marta. A dirigente também já dirigiu a Campanha Evangelizadora do Alto da Brasileira, no Córrego da Areia, em Nova Descoberta, Recife, Pe.



O templo estava bem arrumado, com bandeiras de vários países nas paredes do mesmo, pois iria haver uma preleção sobre o Brasil, que foi no domingo, dia 14, sendo feita pela irmã Marília, filha do irmão Gilvan, auxiliar de trabalho da mesma congregação. Havia também algumas fotos de nossos missionários, como Gilberto Diniz e esposa, que está na Argentina; Anselmo Leão, que está no Peru; Juan Machado, Argentina; Eraldo Clementino, do Timor Leste, entre outros. A preletora mostrou, nuns slides, fotos da cidade de Barreiros, atingida pela enchente que houve recentemente. A cidade estava quase destruída, tamanho foi o desastre. O sábado foi o dia em que esteve presente a cantora Elizete, que Cantou um belo hino que fez com que a presença de Deus fosse sentida pelos que a ouviram cantando. O dirigente do culto no sábado foi o presbítero Amaraldo, que trouxe uma bela mensagem dentro do tema da festa e que foi muito usado por Deus. A palavra saiu fluente como um rio, fazendo todos se sentirem no céu. Antes dele um jogral foi apresentado por algumas garotas da União de Adolescentes, que tiveram uma performance inspirada por Deus, sendo abençoadas com sua unção. Foi uma boa apresentação. Continuando, estiveram presentes, no domingo, o evangelista, e o seu Vice-coordenador, o irmão Jailson, presbítero dessa igreja; houve, também, a entrada das bandeiras: três rapazes e uma moça, a mesma Marília, se desdobrando, vestidos de roupas militares da Marinha, Bombeiro, Polícia Militar e Exército, empunharam as bandeiras do Brasil, do estado de Pernambuco, Assembléia de Deus, e de missões. Depois, o hino nacional foi cantado, e, após isso, foi feita uma oração pelo Brasil. O grande coral cantou um hino e logo após o evangelista deu uma palavra, terminando, assim, a festividade da campanha evangelizadora.



Certamente, no ano vindouro se fará mais uma festividade, Deus continuará operando, e muitos milagres ainda serão feitos, para a glória de Deus.











CONGREGAÇÃO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS NO CÓRREGO DA AREIA

 A congregação do Córrego da Areia está localizada na zona norte de Recife, bem próximo de Casa Amarela, em Nova Descoberta. Chega-se a ela indo pelo Vasco da Gama e tomando a Avenida Nova Descoberta e entrando na segunda rua à esquerda, indo até ao final da rua. Do lado direito se visualizará logo o templo, com sua estrutura enorme, tendo compartimentos em cima e embaixo. Em cima, durante a Escola Dominical, funcionam algumas classes infantis e a casa do zelador. Todo em concreto armado, o templo chama a atenção pela suntuosidade estrutural, parecidíssimo com o templo da Assembléia de Deus do Córrego do Botijão, também no Vasco, em Casa Amarela.

Essa congregação tem mais ou menos uns quinhentos membros e congregados, sendo a sede da Área 29, pois é assim que o pastor Ailton – pastor presidente da Assembléia de Deus de Pernambuco – divide a igreja e as congregações pelos bairros. O número de jovens é muito grande, ficando os bancos a eles destinados tomados de canto a canto. Uma bênção mesmo. O coral adulto também é bem cooperado, sempre cantando belos hinos de louvor a Deus. Os componentes, em sua maioria, são idosos, mas estão sempre lá, louvando a IAOHU. A Campanha Evangelizadora é uma das mais cooperadas na região, tendo um bom número de membros que saem aos domingos, às 14h00h, sol a pino, levando a Palavra de Deus, enfrentando Satanás, com coragem e afinco. Um grande trabalho esse, de levar a mensagem gloriosa toda semana, a fim de alguns sejam salvos, como ensina Cristo. Esse sistema de pregação é em todas as igrejas Assembléia de Deus no Brasil, tendo começado com Daniel Berg, quando chegou aqui. Ele também ia de casa em casa pregar, e Deus fazia muitos milagres, como hoje ainda faz. Curava enfermos, salvava a muitos, dava grandes livramentos, batizava com o Espírito Santo, e muitas outras maravilhas. Gunnar Vingren fundou, juntamente com Daniel, a Assembléia de Deus, conhecida como Missão Apostólica, tendo depois mudado o nome para esse que agora temos. Também há um grupo de adolescentes nessa congregação de que se trata aqui, muito bem cooperado. Um milagre ver aqueles jovens servindo a Deus de uma maneira extraordinária. Quem toma conta da congregação é o presbítero Ivanildo.

Essas congregações do subúrbio têm muito a ensinar às outras de bairros mais abastados como Boa Viagem, Centro, Encruzilhada, e outros. Nesses subúrbios há jovens de talentos, irmãos cheios da graça e pessoas comprometidas com o Reino de Deus. E o Córrego da Areia cada vez mais vai crescendo, pois é assim que a obra de Deus deve ser: sempre para cima.



quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O TRIGO E A PALHA

É importante a profissão de fé que se toma dos novos convertidos para que se tornem membros da igreja, como a Assembléia de Deus, que de três em três meses. O aspirante é chamado à frente e diz por que quer batizar-se nas águas.

Geralmente começam dizendo que querem fazer parte do corpo de Cristo – o que já é errado, pois a partir do momento que a pessoa aceita a Cristo como salvador, já faz parte do corpo dele –., mas a maioria desses irmãos não sabem disso, ou não devidamente ensinados. Depois disso, o irmão que está presidindo a profissão de fé começa a falar dos costumes: não pode usar bermuda, jogar bola, ir ao cinema, nem mesmo assistir a um filme do tipo “PAIXÃO DE CRISTO”, que ensine algo bom. Esquecem eles que a separação é espiritual, não física. O tempo que ele tomou falando sobre esses costumes, que não vai nem vem, ou seja, são irrelevantes, foi muito maior do que o tempo que ele deveria ter tomado falando das doutrinas bíblicas e centrais do cristianismo: a doutrina de Deus; do Espírito Santo; da igreja; da ressurreição de Cristo; na inspiração da Bíblia; na concepção virginal de Cristo, e que ele sofreu em carne, ao contrário do que diz os gnósticos, que desde o tempo de João diziam que havia o Cristo e Jesus; na pecaminosidade do homem; na atualidade os dons espirituais, entre outras doutrinas cruciais que nós da Assembléia de Deus cremos. Mas não, o que se viu foi trocar os pés pelas mãos, colocando como importantes realmente esses costumes, e não as doutrinas acima citadas (leia: Dt 6.4; Mt 28.19; 2 Tm 3.14-17; Is. 7.14; Rm 3.23; 6.1-6; Mt 28.1-20). Isso é uma doutrina legalista, dá ênfase aos costumes mais do que a essas doutrinas. Inverteram tudo, foi o que f fizeram. Têm medo de ensinar a verdade, de que o povo não seja mais manipulado? Não sei a razão, o que sei é que prosseguimos acreditando nisso. Aqueles irmãos que vão dar profissão de fé continuam dizendo de modo errado a razão pela qual querem se batizar nas águas. Acredito até que poderiam cear sem precisar se batizar, pois vão se batizar para dizer publicamente que já nasceram de novo, e não para se sentirem nem se tornarem mais santos – Rm 6.1-10 –, eis a verdade que quase ninguém fala.

Senti um pouco de raiva quando vi o irmão dando mais ênfase às doutrinas da igreja que à doutrina bíblica. Absurdo. Parecia que as doutrinas acima faladas nada representavam para a igreja, que era algo sem importância, pois ele passou por elas sem se demorar, como se fossem irrelevantes. Quem quiser ver um pouco mais detalhado as doutrinas citadas, leia o credo das Assembléias de Deus, que todo mês é publicado no mensageiro da Paz, ou visite o site da CGADB – Convenção Geral das Assembléias de Deus do Brasil – e veja por si mesmo se dão toda essa importância a esses costumes. Não falam nem um pouco neles, nem de longe, pois não são relevantes para nós, nem salvam nem condenam, mas apenas mantêm pessoas presas debaixo de um legalismo feroz, como IAOHU denunciou em Is. 2 e Jr 7;14; e 11 e Mt 23.

Eu sonho com um dia em que a profissão de fé será da forma como deveria ser, e não dessa forma atual, que põe em evidência os costumes da igreja e relegam em segundo plano as doutrinas bíblicas, que realmente são importantes. O resto é palha. Até lá combaterei isso como eu puder.