quarta-feira, 15 de outubro de 2008

VIVENDO DE DEUS

passou o ano de dois mil e sete. Quantas coisas não vivemos, quantos livramentos Deus não nos deu. Ele sabe o quanto! Pensamos muitas vezes, pelo fato de não termos certas bênçãos materiais, que Deus não vê a gente. Mero engano. Ele vê sim. E como!
Vi muita gente na doidice de comprar presente, de ir à cidade fazer umas compras para satisfazerem seus próprios egos, a fim de se sentirem valorizados de alguma forma. A agonia do comercio, com sua boca arreganhada, querendo tragar todo mudo. Uma angústia sem fim toma conta da alma de quem não tem a mesma condição de comprar. O mundo capitalista ensinou a gente a pensar assim, a dar um preço para a felicidade. Desde as doutrinas mercantilistas desenvolvidas no século 16, isso é assim. O Mercantilismo deu origem ao Capitalismo que conhecemos hoje. Quem estuda História sabe disso. Tudo tem seu preço, menos a paz de quem tem Cristo na vida. O preço já foi pago, muito bem pago.
É nessas horas que eu penso onde está minha felicidade. Se não tivesse Deus na vida, me sentiria com certeza o pior dos trastes. Vejo que não preciso de nada disso para me sentir valorizado. Cristo é minha razão de ser e de existir. Sei que tenho minhas falhas, mas não deixo meu Jesus. Só Ele tem a palavra da Vida Eterna. Não consigo imaginar minha vida sem Ele. Não dá para aceitar isso. Por isso não me desespero quando faltam tantas coisas, quando não posso arrotar e dizer que tenho isso, que tenho aquilo... Tenho Deus e isso é o que importa em mim.
Na virada do ano eu fiquei meditando nisso. Na minha felicidade. Da minha estada na Sombra do Altíssimo. Quanta alegria eu sinto quando penso nisso. Quanta paz!! Eu vi o quanto eu sou seguro em Cristo. Estou na paz sem igual, na segurança de Deus. Não preciso ser um servo do Capitalismo pra me sentir seguro. Meu Deus é meu sustento e segurança em todas essas situações. Sei que de uma hora para outra a vitória que desejo chega e me faz mais feliz do que já sou. A mudança eficaz que espero pode vir de uma hora para outra. Não dependo de ninguém, só de Deus. Eu tenho vivido isso na minha vida. Fiquei desempregado, estando minha esposa grávida, e passamos por muitas situações, das quais Deus de todas nos livrou. Certa vez um irmão chegou perto de mim e me deu R$ 150,dizendo que foi Deus quem mandou me dar. Aleluia. Em outra ocasião, precisando de dinheiro, em pleno luz do dia, o sol a pino, encontramos R$ 100, vindo em nossa direção, não sei de onde nem como. Lembrei então de Elias, junto do ribeiro de Querite, recebendo comida do bico dos corvos. No nosso caso, o alimento veio vindo na sarjeta, junto ao meio fio. Só sei que ninguém viu, por incrível que pareça, o dinheiro boiando na água . Deus é fiel. Nunca precisei pedir nada a ninguém. Certa vez me perguntaram de quê eu estava vivendo, pelo fato de estar desempregado e me verem com saúde e tranqüilo. Respondi bem calmamente, para espanto dessa pessoa: estou vivendo de Deus. Eles queriam me ver desesperado, chorando, para virem me “consolar.” Nunca chorei na frente deles, só nos pés de Jesus. Muitas experiências tivemos, desde que fiquei desempregado, para conhecer que o homem vive da vontade de Deus.
Deixem o Capitalismo ir seguindo com sua ganância voraz. Deixem que esse mundo siga seu rumo. Nós, servos de Deus, devemos ter nossa mente firme em Cristo Jesus. Só ele é nosso sustento. Por isso fico tranquilo quando todo mundo é levado por toda essa preocupação vigente. Essa gana em ter pelo ter, em viver essas coisas. Vivo em meu Deus, e isso é tudo que importa, e é toda a “gana” de que preciso. Amém.